domingo, 22 de outubro de 2017

Atrás da Porta.

 
 

 
 
 
Atrás da Porta, numa das mais lancinantes interpretações de Elis. Sobre ela, sobre ela Elis, um texto no ECO, aqui.
 

As Ruínas do Império Russo, por Manuel Chaves Nogales.

 
 
 
O príncipe Iussupof, que matou Rasputine, com sua esposa, a princesa Irene...

Lisboa, secreta e misteriosa.

 
 

V Festival da Abóbora (com workshops). Termina hoje.

 
 
 
 
 

Inverno no Outono em Washington State.

 
 




Fotografias de Onésimo Teotónio de Almeida

 

sábado, 21 de outubro de 2017

Stoned in Paris.

 
 
 













 
Com os Stones é tudo mítico. Neste caso, são as míticas fotografias da mítica temporada do mítico Keith Richards e da sua mítica companheira, Anita Pallenberg, na não menos mítica Villa Nellcôte, que está instalada, aliás muitíssimo bem instalada, em Villefranche-sur.Mer, Alpes Marítimos. Isto foi em 1971, mas o fotógrafo, Dominique Tarlé perseguia os Rolling Stones desde Outubro de 1964, quando a banda mítica do carismático Mick Jager deu um concerto no mítico Olympia. O jovem Tarlé, de dezasseis primaverazinhas, munido de uma velha mas mítica Leica, convenceu a filha do mítico Bruno Coquatrix a deixá-lo entrar na mítica casa de espectáculos da Cidade-Luz. Depois disso, foi uma vassourada completa nos Stones, anos a fio, e é isso que está patente na Galerie de l’instant, até 29 de Outubro. «Stoned in Paris», a preto e branco e a cores, mais uns perfumes de Hendrix. Galeria do Instante, em Paris, claro. Quem pode, vai. Quem não pode, vê daqui.

 

Sim, é Portugal: tem mal?

 
 

Nova Iorque horas fora.

 
 












Fiquei com dúvidas no título. O banal e desastrado «Um Táxi Chamado Desejo»? O previsível «Taxi Driver»? «Taxi Mauve», um filme passado na Irlanda, com Fred Astaire e Charlotte Rampling, que poucos recordam, apesar da inesquecível música? Podia falar também do maravilhoso filme rodado num táxi em Teerão, ou fazer alusões a Weegee, de quem se fala sempre, mas sempre (apre, até irrita), que se fala de Nova Iorque noctura. Ou também, porque não?, da descida às profundezas de todos os círculos infernais feita por Miron Zownir, já ventilado aqui no Malomil. Mais um nome óbvio, muito em voga, muito em moda, o de Vivian Maier. Mas para quê buscar ligações ou conexões quando a história é também boa, e vale por si? Um taxista de Nova Iorque que passou décadas ao volante, como lhe competia, e a fotografar os seus passageiros, como lhe apetecia. Anos a fio pelas noites de NYC dá mais do que matéria-prima para histórias, visões, fantasmagorias. Foi o que fez Ryan Weideman, como se diz aqui. E uma parte ínfima da sua arte cusca encontra-se lá em cima, mas foi retirada daqui. Nada disto seria possível sem que houvesse um taxista-fotógrafo e um amigo chamado Ricardo Álvaro, das melhores pessoas que tenho conhecido na minha existência terrena, toda passada no banco de trás da vida e do que nela realmente importa. Um Grande abraço, Ricardo Grande, do teu amigo

 
António (Araújo)

Entre o Calabote e o Apito Dourado.

 
  
 

Antes do fast food.

 



Guia da Cura Sexual, pelo Dr. Fred Vasques Homem.

 
 
 
 
 
«Flirt»
Este jogo de amor, também chamado coquetismo, variação amorosa entre atracção e repulsão, é tão velho como o instinto sexual nos animais. Nos tempos modernos e, que as exigências do amor mais refinado são cada vez maiores (há quem diga, mais materialistas e mais ordinárias), a mulher procura alimentar gradualmente o homem com rafinesse e sex-appeal.
(…)
O flirt agora muito em voga durante o namoro, despertou nos Estados Unidos (Ver os capítulos «Necking» e «Petting»)
 
«Felatio»
Ao já mencionado cunnilingus em que o homem lambe as partes genitais da mulher, corresponde a felatio em que a mulher introduz o membro viril na boca, podendo sentir prazer especial de deixar vir o esperma para a língua e engoli-lo até. Neste caso fala-se de orgasmo alimentar designado como mais saboroso do que o orgasmo genital.
Psicologicamente evoca-se uma espécie de antropofagismo, visto que, devido a esta exagerada erótica oral, a mulher deseja engolir alguma parte do amante, por fome de amor. Ver também «Penilingus».
Na vida dos homossexuais, o cunnilingus é usado entre as mulheres e a felatio entre homens. O chupar mútuo dos membros de dois homens é designado com o algarismo 69.
 
 

Biblioteca dos Pequeninos.

 
 
 
 
 







 
Biblioteca particular do Exmº Senhor Doutor Francisco Teixeira da Mota, a.ka. Ico